Maternidade na quarentena

Acredito que as pessoas mais descabeladas e desesperadas nessa quarentena são as mães. Sabemos da importância do isolamento social, mas desejo de todo o coração que as mães não enlouqueçam e tenham um momento só para elas no fim disso tudo.

Explico: sou mãe. Minha rotina é meio louca, como a de qualquer mãe. Então vem toda essa pandemia e coloca nossa vida de cabeça para baixo. No começo eu fiquei até empolgada, trabalhando no home office não tem o tempo de deslocamento, além de estar livre de todos os compromissos do filho depois do trabalho… Finalmente, um pouco de paz!

No primeiro dia de home office já me deparo com uma realidade: preciso fazer almoço. Não é tão simples como no trabalho, em que você pede sua comida, vai até um restaurante ou simplesmente coloca a marmita para esquentar. Não! Você tem que fazer a sua comida e ainda alimentar uma criança! Não é só comer e pronto, tem que colocar comida, cortar o bife e parecer louca com os métodos antipedagógicos da ameaça caso não coma tudo… A essa altura sua hora de almoço foi mais desgastante que todo o seu dia de trabalho. Se fosse só esse momento, mas o seu dia de trabalho será recheado de “mamãe, mamãe…” seguido de algum pedido…

E as reuniões online? Gente, o que fazer com as coisinhas que insistem em aparecer na tela? Você se arrumou para que ninguém perceba sua cara de louca durante a reunião, passa até perfume. Está lá, toda plena trabalhando, quando sorrateiramente percebe uma cabeça por cima dos seus ombros. Então bate aquele desespero “o que eu faço? Finjo que não é comigo, berro feito louca ou tento discretamente eliminar essa cabeça da imagem”. O fato é que tirar a criança discretamente dali não é tão discreto.

O mais engraçado é que isso acontece apenas com a mãe… Não importa o cargo que a mãe ocupe, mas sempre parece que o trabalho do pai é mais importante, que ele não pode ter as interferências ou a mesma carga que a mãe carrega…

Sem falar o homescholling… Gente! Eu estava supercontente da escola mandar atividades, assim ele se ocuparia e entenderia que isso não são férias. Como eu era inocente… Ter que dar conta do trabalho, dos afazeres da casa, da comida, da atividade física e ainda das atividades da escola, é insano! Pensei que, por ser professora, isso seria mais fácil, mas não. Eu lá, preparando minhas formações, fazendo relatórios e sendo interrompida a casa 5 segundos porque a criança precisa de ajuda. É mais fácil dar conta de 40 filhos dos outros do que apenas do seu.

Claro ainda tem as 500 refeições por dia, a casa mais suja porque tem gente por mais, a bagunça acentuada e a agitação das crianças que não estão gastando sua energia com as atividades diárias. O jeito é encarar e torcer para que ninguém enlouqueça até o fim de tudo isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *